24 dezembro, 2012

The Muppets - Bohemian Rhapsody

Bom Natal, para os músicos e os não músicos, os amigos e só os conhecidos.
Vale a pena ver o vídeo até ao fim.



22 dezembro, 2012

Bach, Brandenburg Concerto No 4, 3rd mvt., presto


Uma versão que pode não agradar a toda a gente, mas o vídeo permite VER a complexidade da música de Bach. Possibilita também, para quem não está habituado a ouvir, seguir a música pelas cores e pelos movimentos, sem se perder!



20 dezembro, 2012

Fauré plays Fauré Pavane, op 50


Fauré tocado por Fauré!
Já pensaram que se fosse Bach, Mozart ou Beethoven, a gravação não tinha preço?
É uma sorte poder ouvir isto!






No site International Music Score Library Project 
há muita mais informação.

15 dezembro, 2012

J. S. Bach - Cantata BWV 61 - Nun komm, der Heiden Heiland - Ouverture



Pensar que Bach compôs mais de 200 cantatas!
Acho que ele ía gostar desta interpretação.



First movement (ouverture) from cantata BWV 61 "Nun komm, der Heiden Heiland" (Now come, the gentiles' Savior) for the First Sunday in Advent, performed by the J. S. Bach Foundation of St Gallen under Rudolf Lutz. Further information on the Bach Foundation at www.bachstiftung.ch. The DVD with the complete cantata, introductory workshop and reflection lecture (in German) is available at: http://www.bachstiftung.ch/en/shop/items/j-s-bach-kantate-bwv-61/ You can also find the Foundation on iTunes.

12 dezembro, 2012

Mahler: "Ich atmet' einen linden Duft" / Kožená · Rattle · Berliner Philharmoniker









Full-length concert at http://www.digitalconcerthall.com/concert/2510

Gustav Mahler: "Ich atmet' einen linden Duft" from Rückert-Lieder / Magdalena Kožená mezzo-soprano · Sir Simon Rattle, conductor · Berliner Philharmoniker / Recorded at the Berlin Philharmonie, 27 January 2012


10 dezembro, 2012

Bach: Fuga in g "Little", BWV 578


Robert Köbler (1965)
Silbemann organ of the village church of Grosshartmannsdorf (1741)


13 novembro, 2012

Slimmy - You Should Never Leave Me





Uma versão, no programa Brand New, da MTV em 2008.
Com o meu irmão Quico no piano.
Vale a pena ouvir até ao fim.

08 setembro, 2012

Doze Benefícios da Educação Musical


Devido à redução (mais uma), da carga horária da Educação Musical  no currículo nacional, torna-se imperativo, a meu ver, a necessidade de explicação a um maior número de cidadãos, do que essa medida política não educativa quer dizer.


"1 - Um treino musical precoce ajuda a desenvolver áreas do cérebro implicadas na linguagem e no raciocínio. Pensa-se que o desenvolvimento cerebral continua por muitos anos após  o nascimento. Estudos recentes  indicam claramente que o treino musical desenvolve fisicamente a parte do lado esquerdo do cérebro que se sabe estar implicado no processamento da linguagem, e que pode na realidade dispor os circuitos cerebrais em caminhos específicos. Ligar canções familiares a informação nova também pode ajudar a gravá-la nas mentes jovens.

2 - Há também uma ligação causal entre a música e a inteligência espacial ( a capacidade de se aperceber com precisão do mundo real e formar das coisas imagens mentais.)
Este ramo da inteligência, que permite visualizar vários elementos que se devem apresentar em conjunto, é indispensável para o tipo de pensamento necessário para tudo, desde a
resolução de problemas de matemática avançada até à hablidade de arrumar a  pasta dos livros com tudo o que vier a ser necessário para o seu dia.

3 - Os estudantes de artes aprendem a pensar criativamente e a resolver problemas imaginando várias soluções, rejeitando regras antiquadas e suposições. As perguntas àcerca das artes não têm somente uma resposta certa.

4 - Estudos recentes mostram que estudantes que estudam artes são os que têm mais sucesso em testes padronizados, tais como os SAT [ or the Reasoning Test (formerly Scholastic Aptitude Test and Scholastic Assessment Test) is a college admissions test in the United States.]. Também conseguem melhores notas no ensino secundário.

5 - O estudo das artes fornece às crianças uma visão interna de outras culturas e ensina-as a ter empatia pelos povos dessas culturas. O desenvolvimento dessa simpatia e empatia, por oposição ao desenvolvimento da ambição e da atitude " primeiro eu", providencia uma ponte através das divergências culturais que levam, precocemente, ao respeito das outras raças.

6 - Os estudantes de música aprendem a ser artifíces ao estudarem como os detalhes são meticulosamente estruturados e o que é o bom trabalho por oposição ao medíocre. Estes padrões quando aplicados ao próprio trabalho dos alunos, exigem um novo nível de excelência e obrigam os alunos a libertar as suas capacidades escondidas.

7 - Em música, um erro é um erro; o instrumento está afinado ou não, as notas são bem tocadas ou não, a entrada é feita ou não. Só com muito trabalho é possível obter uma actuação com sucesso. Através do estudo da música, os estudantes aprendem o valor do esforço contínuo para se obter a excelência e a recompensa concreta do trabalho árduo.

8 - O estudo  da música intensifica as competências do trabalho em equipa e da discplina. Para que uma orquestra soe bem é necessário que todos os músicos trabalhem harmoniosamente em conjunto para se obter um único objectivo, a actuação, e que se comprometam a aprender a música, ir aos ensaios e praticar.

9 - A música providencia as crianças com meios para se auto-exprimirem. Agora que existe uma segurança relativa na existência básica, o desafio é dar sentido à vida e e alcançar um grau mais alto de desenvolvimento. Todos necessitam, num dado momento da sua vida, de estar em contacto com a sua essência, com o que se é e com o que se sente. A auto-estima é um resultado dessa auto-expressão.

10- O estudo da música desenvolve competências necessárias num local de trabalho. Foca-se no "fazer" por oposição à observação e ensina aos estudantes como actuar, literalmente, em qualquer parte do mundo. Os empregadores procuram pessoal multi-dimensional com a espécie de intelecto elástico e flexível que, como dito acima, uma educação musical ajuda a criar. Na sala de aulas de música os estudantes também aprendem a comunicar e colaborar melhor uns com os outros.

11- A execução musical ensina aos jovens a ultrapassar o medo e a arriscar. Um pouco de ansiedade é bom e aparecerá de vez em quando na vida. Aprender a lidar com ela frequentemente desde novos ajuda a torná-la um problema menor mais tarde. O arriscar é essencial para o completo desenvolvimento de uma criança. A música contribui para a saúde mental da criança e pode ajudar a prevenir comportamentos de risco tais como o abuso de drogas do adolescente.

12- Uma educação artística expõe as crianças ao incomparável."


Carolyn Phillips é autora de Twelve Benefits of Music Education.
Foi Directora Executiva da Norwalk Youth Symphony, CT





Tradução de Eduarda Viana

 

30 agosto, 2012

Atenção ao desacordo do dito AO!

Muito importante esta contribuição. Além de publicar aqui, do Público de 29 de Agosto de 2012, já imprimi, para afixar no meu local de trabalho e oferecer uma cópia a quem quiser.






"O Acordo Ortográfico (AO) não serve o fim a que se destina - a unificação ortográfica da língua portuguesa.

O prazo de transição terminará somente em 17 de Setembro de 2016.

1. Vícios formais e orgânicos.

O n.º 1 da Resolução do Conselho de Ministros (CM) n.º 8/2011 (que determinou a antecipação parcial do prazo de transição, mandando aplicar o Acordo Ortográfico à administração pública directa, indirecta e autónoma) é organicamente inconstitucional, por violação do artigo 165.º, n. 1, alínea b), da Constituição, pois regulamenta, a título principal, direitos, liberdades e garantias.

A mesma norma padece de inconstitucionalidade formal a duplo título: por violação da reserva de lei parlamentar (art. 165.º, n. 1, al. b)) e por carência da forma de decreto regulamentar, constitucionalmente exigida para os regulamentos independentes (art. 112.º, n. 6).

A Resolução n.º 8/2011 não poderia ser aplicada a órgãos exercendo outras funções jurídicas do Estado diversas da administrativa; havendo, pois, inconstitucionalidade orgânica e material, por usurpação de poderes, e também formal, da norma do n.º 2 da Resolução do CM; acarretando de inexistência jurídica.

2. O AO viola aspectos nevrálgicos da língua portuguesa, enquanto pertença ao património cultural.

As "facultatividades" representam a destruição do conceito de ortografia.

Existe a violação do dever estatal de defesa do património cultural (art. 78.º, n.º 2, al. c)) e do direito ao património cultural.

Há uma tentativa de usurpação do papel da lei positiva em relação ao costume e à tradição linguística existente do português europeu.

Detecta-se também inconstitucionalidade material, devido à violação da garantia institucional da neutralidade ideológica e consequente proibição do dirigismo estatal da cultura (art. 43.º, n.º 2), uma vez que o AO é puramente político, não sendo baseado na ciência linguística.

O AO consiste num autêntico plano totalitário de unificação aparente, expressando um fenómeno de "democracia totalitária" por parte do Estado "abafante" relativamente à sociedade civil.

3. Uma das consequências de a Constituição instrumental ser rígida é a impossibilidade de proceder a alterações através de textos com valor infraconstitucional (legislativos ou outros). Uma correcção ortográfica da Constituição, segundo o AO, é inadmissível sob o ponto de vista da hierarquia de fontes. As disposições da Constituição instrumental são intocáveis; só podendo ser alteradas licitamente mediante o exercício do poder de revisão constitucional.

O art. 2.º, n.º 2, da Resolução da AR n.º 35/2008, que determina que quaisquer reedições terão de ser feitas segundo o AO, é orgânica e materialmente inconstitucional, pois se refere, também, à Constituição instrumental.

3.1. Existe um dever de todos os particulares desobedecerem às normas mais aberrantes do AO, desfiguradoras do núcleo identitário das normas ortográficas costumeiras de língua portuguesa.

4. Restantes inconstitucionalidades materiais

4.1. Quanto a outras inconstitucionalidades materiais, temos, v. g., a violação da "autorização constitucional expressa"; restrições, não credenciadas pela Constituição, ao direito à língua e à liberdade de expressão; violação do princípio da identidade nacional, do princípio da igualdade, do direito ao desenvolvimento da personalidade, do dever de o Estado informar os cidadãos sobre os assuntos públicos (art. 48.º, n. 2); da regra da proibição de censura (art. 37.º, n. 2), da liberdade de criação artística e cultural (art. 42.º, n. 1), da proibição de dirigismo político na educação (art. 43.º, n. 2), da liberdade de aprender e de ensinar (art. 43.º, n. 1), das vertentes científica, pedagógica e administrativa da autonomia universitária (cfr. art. 76.º, n. 2); violação do direito ao ensino e à cultura, da liberdade de imprensa, do direito à informação do consumidor.

4.2. O Vocabulário de Língua Portuguesa e o conversor Lince, previstos pela Resolução do CM n.º 8/2011, padecem de inconstitucionalidade material, por violação do art. 112.º, n.º 5, 2.ª parte; de inconstitucionalidade orgânica, por regulamentar direitos liberdades e garantias (cfr. art. 165.º, n.º 1, al. b));

Registam-se várias ilegalidades sui generis do Lince e dos correctores ortográficos, por violação das próprias normas constantes do AO.

5. Consequências das inconstitucionalidades mencionadas.

A AR deve aprovar uma resolução que revogue a Resolução n.º 35/2008, autodesvinculando o Estado português.

Devido às inconstitucionalidades mencionadas e ao consequente desvalor da nulidade, existe o poder-dever de desaplicar as normas constantes do AO e da Resolução n.º 8/2011 do CM, por parte de todas as entidades públicas: legislador, tribunais, bem como órgãos e funcionários da administração pública.

Não existe dever de obediência por parte dos funcionários públicos, pois a ordem de respeitar o AO (ou o Lince) padece de inconstitucionalidade, por violação de direitos, liberdades e garantias, o que origina o desvalor da nulidade daquele acto. Deste modo, o não acatamento da ordem é insusceptível de acarretar responsabilidade disciplinar.

Os particulares gozam do direito de resistência (art. 21.º), do direito de objecção de consciência e do direito genérico de desobediência a normas inconstitucionais (e, em nosso entender, um dever de desobediência em relação às normas mais aberrantes do AO, que desfiguram a língua portuguesa)."

Por Ivo Miguel Barroso 
Assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

28 agosto, 2012

O exercício da cidadania numa democracia...


Não me sinto com direito a mudar o título da crónica - Só temos a múmia? -
de José Vítor Malheiros, publicada hoje no jornal  Público. Mas não me parece que o título chame a atenção dos leitores para aquilo que realmente é: umas boas perguntas, que nada têm de retóricas, depois de exemplificar com bastos exemplos, o que é exercer o direito de cidadania. Acho que não deixa ninguém indiferente!



"O exercício da cidadania numa democracia não se esgota na prática do voto durante as eleições - ainda que seja a isso que se limita a prática democrática da maioria dos cidadãos, para não falar do número, crescente, daqueles que se abstêm até desse gesto mínimo.

Espera-se de um cidadão responsável que, na medida das suas possibilidades e interesses, aja politicamente, que participe nos debates políticos onde estão em causa os princípios que moldam a vida pública e as normas da vida em sociedade, que tome posição, que defenda os seus pontos de vista e os seus interesses usando os meios à sua disposição, da discussão pública no café ou no Facebook ao uso dos meios de comunicação clássicos e de outros fóruns.

Espera-se de um cidadão responsável que interpele os poderes, que use os instrumentos legais para o fazer, da participação em reuniões públicas da sua autarquia ao lançamento de petições e abaixo-assinados, que promova iniciativas legislativas cidadãs e envie projectos de lei ao Parlamento. Que participe nas organizações profissionais e sindicais que lhe dizem respeito, que lute por condições que garantam maior equidade, justiça e bem-estar para si, para os seus camaradas de trabalho e para a sociedade em geral. Que se envolva na actividade partidária, que participe em movimentos de cidadãos, que se envolva em organizações de defesa dos direitos humanos, de defesa do ambiente, de promoção do património cultural, de solidariedade social, que faça trabalho voluntário para causas humanitárias. Que se envolva nas organizações que visam melhorar as condições de vida do seu bairro, da sua cidade, da sua escola ou do seu emprego. Que denuncie os crimes de que tem conhecimento ou suspeita, que não feche os olhos à corrupção.

Espera-se de um cidadão responsável que reclame e que se indigne, que proteste e que se manifeste no espaço público em defesa dos direitos de todos, que promova concentrações, que organize manifestações, que lance palavras de ordem, que mobilize os seus concidadãos para as causas que lhe são mais caras.

Espera-se de um cidadão responsável numa democracia que não se cale e não se acomode, porque é esta inquietação e este envolvimento, são estas palavras e estes gestos, são estes sentimentos de dever e de responsabilidade para connosco, para com os outros e para com os nossos filhos que constituem o sangue da democracia - e não os rituais cada vez mais desprovidos de sentido das eleições, que nada ou quase nada mudam, onde apenas se escolhem nomes de entre opções pré-seleccionadas por umas dezenas de apparatchiki desconhecidos e de idoneidade duvidosa, onde todos os compromissos são jurados mas nenhum é cumprido, onde nenhuma responsabilização individual é possível, onde as opções possíveis estão limitadas a um oligopólio de partidos e onde o poder, faça-se o que se fizer, nunca foge a um cartel que tem como credo o servilismo absoluto ao poder corrupto e nunca escrutinado da finança.

Estes cidadãos responsáveis e empenhados são essenciais à democracia porque uma democracia que só se anima durante um dia de quatro em quatro anos não é uma democracia, mas apenas a múmia seca de uma democracia. Só que estas acções, esta agitação democrática, só fazem sentido se ela estiver de facto entretecida com a democracia das organizações, dos partidos, da política, do poder, do Estado. Esta vida democrática só faz sentido e só a declaramos como vital porque pressupomos que, nas organizações da sociedade, nos poderes e no Estado, alguém a ouve e que ela alimenta a acção política. E a nossa natural bondade gosta de pensar que esse alguém que ouve o povo é um poder benigno ou pelo menos que tenta ser justo ou, no mínimo, prudente. Gostamos de pensar que entre esta sociedade civil (para usar a fórmula consagrada) e um Estado democrático existe diálogo e que todas as manifestações dos cidadãos são de facto ouvidas, levadas em conta, pesadas. E que, em caso de grande dissidência, existe sempre a Justiça para arbitrar os conflitos.

Mas... e quando isso não acontece? E quando do lado do poder temos governantes sem escrúpulos e que apenas conquistaram o poder mentindo? E quando se fazem surdos a tudo porque a única coisa que querem é construir uma sociedade de senhores e de escravos invocando a legitimidade do seu mandato para governar? E quando tudo o que pretendem é espoliar o Estado das suas riquezas para as entregarem aos donos dos negócios onde eles já asseguraram o seu emprego futuro? E quando os tribunais aceitam suspender a lei para se submeterem aos ditames deste Governo? E quando as regras do jogo limitam os cidadãos, mas os governantes podem fazer batota? E quando todos os dados estão viciados? E quando todas as formas de intervenção democrática que não sejam a múmia estão bloqueadas aos cidadãos?"

10 agosto, 2012

Banksters

Uma crónica de Domingos Ferreira, no Público de 3 de Agosto de 2012. Pode ter passado despercebida a alguém. Quanto melhor informados melhor. Boa leitura!



"Esperem... Estou a sonhar ou todas as semanas surgem novas notícias sobre novos escândalos no sistema financeiro? Não! Não é minha imaginação. Depois dos escândalos dos empréstimos dos subprime, das fraudulentas taxas de juros, das apostas de alto risco no mercado de derivados e da venda de produtos tóxicos aos clientes, pensar-se-ia que mais nada poderia acontecer. Mas não! A Peregrine Financial Group é um broker de commodities e situa-se em Cedar Falls, no Iowa, EUA. Esta empresa geria uma carteira de investimento de cerca de 200 mil milhões de dólares provenientes de depósitos dos seus clientes. Todavia, em resultado da tentativa de suicídio do endividadíssimo Russell Wasendorf, CEO da Peregrine, a fraude foi descoberta. Wasendorf deixou uma carta escrita descrevendo todo o esquema fraudulento. Verificou-se que dos 200 mil milhões de dólares dos depósitos restavam apenas cinco mil milhões de dólares.

Este é um caso em tudo semelhante a um outro, o da MF Global Holdings Ltd. Este broker operava no mercado de dívida pública europeia e entrou em colapso em Outubro último, em resultado também de um desfalque de 1,6 mil milhões de dólares. Mas há mais! Quem alguma vez adivinharia que o HSBC, prestigiado banco inglês, estaria envolvido na lavagem de dinheiro proveniente do narcotráfico, "diamantes de sangue", venda de armas e ligações ao terrorismo internacional? Em resultado deste escândalo, a Subcomissão Permanente de Investigações do Senado Americano promoveu uma investigação de que resultou um relatório de cerca de 330 páginas onde são acusados dezenas de banqueiros e executivos. Apesar de advertida, esta instituição continuou o business as usual.

Há mais, ainda: de acordo com o New York Times, o Goldman Sachs enriqueceu o seu longo e duvidoso curriculum. O escândalo rebentou quando divulgaram que este banco tinha efectuado investimentos numa start-up cujo core business é, imaginem, pornografia infantil. Isto para não falar no mais recente escândalo da venda de uma empresa americana de high-tech, a Dragon Systems Inc., à empresa belga. Neste negócio, o Goldman Sachs figurava não só como adviser, mas também como representante da empresa adquirente. Todavia, até ao momento os fundadores da Dragon Systems, Jim Baker e Daniel Baker, ainda não viram a cor do dinheiro, apesar de Lernout & Hauspie terem provado que efectuaram o depósito de pagamento no Goldman Sachs. A história ainda não acaba aqui. A Capital One, a gigante dos cartões de crédito, foi obrigada a reembolsar os seus clientes num total de 210 milhões de dólares. A Capital One efectuava débitos nos cartões de crédito dos seus clientes de compras de produtos (à própria Capital One) que estes nunca haviam autorizado. E, por fim, a cereja em cima do bolo: a Commodity Futures Trading Commission denunciou a mãe de todos os escândalos - a Liborgate. O gigante financeiro Barclays admitiu ter manipulado em proveito próprio, todavia, com forte prejuízo para todos nós, as taxas de juros que servem de referência a todos os depósitos e empréstimos, como cartões de crédito, juros do crédito à habitação e automóvel, créditos pessoais, etc. Calcula-se que apenas num dia a Libor sirva de referência a cerca de 800 biliões de dólares. Desta maneira, o Barclays ganhou "rios de dinheiro". Mas ninguém pense que este banco está sozinho. É cada vez mais claro que alguns dos maiores bancos e traders internacionais estão também envolvidos. Até mesmo Robert Diamond Jr., CEO do Barclays que perdeu o seu emprego após a denúncia do escândalo, afirmou: "Fiquei doente com o que li nos emails dos meus traders". De facto, o clube está corrupto e será caso para perguntar: onde pára a polícia? Isto é, as autoridades de regulação. Porém, estas não funcionam, pois, para além de terem visto os seus orçamentos drasticamente reduzidos pelo Congresso americano, inviabilizando, assim, a supervisão do sistema, estas estão infiltradas pelos próprios banksters. Os serviços financeiros são cruciais para o desenvolvimento económico, por isso, todos, famílias e empresas, necessitam de um sistema transparente e honesto. É uma perigosa fantasia pensar que Wall Street se pode auto-regular como afirma Mitt Romney."

04 agosto, 2012

A austeridade funciona?

Um texto do meu amigo Manuel Baptista.
Aceitam-se críticas.


A austeridade, que nos foi vendida como a receita amarga, mas inevitável, para saída da crise não funciona de todo. 
Muitas pessoas - e não apenas «radicais de esquerda» - tinham avisado desde o princípio que este tipo de tratamento era susceptível de matar o paciente. Mas os donos do verdadeiro poder, a grande finança portuguesa e internacional, não queria ouvir nada. Só aceitavam que os partidos e governos, submissos, aplicassem a receita neoliberal, com todos os pós de hipocrisia e de conversa fiada, em que os políticos são exímios. O bom povo lá foi votando neles, mais uma vez enganado, confiante de que eram «estas raposas que iam pôr ordem no galinheiro». 
Agora, temos o nosso país e todos os outros, que enveredaram pelo mesmo caminho na eurozona, metidos num colete de forças. As medidas de austeridade apenas anunciam mais do mesmo e não se vê qualquer luz ao fundo do túnel. Esta luz, que tantos procuram tão ansiosamente, apenas se poderá acender quando as pessoas estiverem por fim conscientes de que têm de tomar nas suas próprias mãos a resolução dos seus problemas. Isso implica varrerem os políticos e seus acólitos da média ao serviço do grande capital, dos economistas, que fazem o seu show quotidiano de submissão à mão que lhes dá de comer!
 
Há uma interpretação - silenciada na média corporativa - sobre este rumo da economia e finanças globais: é a de que este caminho agora trilhado tem servido propositadamente para o recuo dos trabalhadores e dos povos, sujeitando-os ainda mais à agenda neoliberal, ao poderio sem limites da finança mundial. Pois assim - conforme aos desejos da banca, finança e grandes corporações -  estão reunidas as condições para a desregulação do mercado do trabalho, os cortes cegos no «Estado Social», de destruição das fracas forças que se opõem ao capitalismo triunfante. O resultado desta ofensiva é um grau de sujeição nunca antes visto nos tempos modernos, permitindo a ditadura total dos muito ricos, escondidos atrás da figura imaterial dos «mercados».
A receita falhou, porque estava destinada a falhar! Os técnicos do FMI, da UE e do BCE, que compõe a «troika» e os economistas e «analistas» que os apoiaram, não eram incompetentes ou ingénuos! Pelo contrário, eram plenamente conscientes do que faziam, sabendo que a verdade nua e crua seria sempre totalmente inaceitável pelos povos. Assim, numa operação cosmética de grande aparato, fizeram crer que «era inevitável», que não havia senão este caminho ou então... um horror... mas qual horror? O regresso às moedas nacionais seria uma mudança dolorosa, sem dúvida, mas que traria uma dinâmica de correcção, como a que foi trazida quando o Peso argentino descolou da paridade com o Dólar, aquando da interrupção de pagamento da dívida da Argentina. Hoje, onze anos depois, a Argentina pagou tudo o que devia e regressou aos mercados. Pode-se considerar uma potência em muito melhor estado, em termos relativos, do que os EUA e a UE. Mas é isto que não querem que o povo saiba, por isso nunca se discute a Argentina, nem - tão pouco - a Islândia. 

Há uma cortina de silêncio destinada a fazer crer que «não existe outra saída», senão uma continuidade na receita. Só que esta receita falhou desde o primeiro instante, de forma obstinada e sem dar sinais de qualquer inversão de tendência. Contrariamente às mentiras dos políticos do «arco do poder», todos os sinais são no sentido do agravamento do estado da economia em Portugal e em todos os países sujeitos a estes planos de «salvamento».

Como dizia Passos Coelho (primeiro ministro [da troika, colocado no posto de supervisão] de Portugal) «o desemprego pode ser visto como uma oportunidade». Efectivamente, é uma oportunidade para os muito poderosos: graças ao desemprego, eles poderão esmagar os que não têm senão a sua força de trabalho, pois se sujeitarão a tudo e não terão coragem para reivindicar qualquer legítimo direito, constitucionalmente «garantido», face à ameaça permanente sobre o seu ganha-pão. Assim, os muito poderosos criaram as bases para uma exploração muito mais alargada da força de trabalho e, logo, um maior lucro.

Eu não pretendo ditar um caminho, mas sim propor um método: as pessoas que discutam com as outras, sejam da sua família, sejam amigos e colegas de trabalho, quais os meios para contrariar esta guerra contra os pobres. Como em qualquer guerra, a primeira baixa é a verdade, por isso teremos de insistir nas verdades e desmascarar as mentiras dos nossos inimigos. 

Mas, por cima e além de enunciar de verdades, temos de encontrar meios próprios para fazer face à espoliação do que é nosso, quer sejam salários, pensões, ou os meios de que o Estado está obrigado a fornecer à sociedade: podemos construir associações de apoio mútuo (incluindo cooperativas e sindicatos independentes), sem interferência do estado sob qualquer forma - as pessoas têm de passar a confiar umas nas outras, mais do que no «Estado», pelo menos enquanto este for apenas um instrumento nas mãos dos poderosos. As pessoas podem muito mais do que pensam; por isso mesmo é que se tornou imperiosa a existência de uma tão grande manipulação; por isso é que existe um exército de manipuladores, muito bem pago, que permite manter a chamada «coesão social» (outro nome para «resignação» e «alheamento social»).

Quanto mais cedo Portugal sair do colete de forças em que está metido, melhor: denunciando o «acordo de resgate», que não mais é do que uma imposição violenta da agenda neoliberal ou seja, um programa de asfixia da economia real do país, em nome de um mítico «equilíbrio». «Equilíbrio» esse que nem o país mais forte da UE (a Alemanha) possui. A oportunidade para isso acontecer é agora, pois a Grécia irá, em breve, reverter ao Dracma e suspender os pagamentos da dívida aos seus credores. A Grécia fará isso, inevitavelmente, apesar do seu governo ser o mais favorável possível à permanência no Euro, porque a situação catastrófica da sua economia não pode ser disfarçada e porque os alemães se recusam terminantemente a financiar um terceiro resgate a este país. 

Nestas circunstâncias muito particulares, estamos perante uma oportunidade histórica de sairmos desta situação, de sairmos do beco, suspendendo os pagamentos da dívida, reintroduzindo o Escudo, com base naquilo que é a realidade nua e crua: a trajectória, desde há mais de um ano, de «assistência» da troika a Portugal, assemelha-se - como cópia a papel químico - ao que se tem vindo a passar com a Grécia desde há uns três anos atrás. Como para as mesmas causas é sensato pensar-se que obtenham os mesmos efeitos, quanto mais depressa sairmos do caminho errado, melhor! Será um alívio para a economia deste país e muito para além da economia, para a subsistência de Portugal, enquanto estado e nação independente. 
A obsessão com a nossa manutenção dentro da zona euro tem de ser reconhecida como um grande erro. A entrada de Portugal para o Euro, há onze anos, foi a causa primária do que se veio a passar de menos bom, nomeadamente do sobre-endividamento dos sucessivos governos, desde a introdução do euro. Na verdade, a permanência no euro só trouxe claras vantagens para uma camada reduzida de banqueiros, eurocratas e políticos corruptos.

O facto de haver uma moeda comum super-forte (alinhada, na altura, pelo padrão do Marco alemão), foi um factor decisivo do excessivo endividamento, o qual foi encorajado pela banca nacional e dos mais poderosos países do Euro.
Os partidos do chamado «arco do poder» proporcionaram - foram agentes activos - desse endividamento por parte do Estado, mas também estimularam o sobre-endividamento das famílias e das empresas, promovendo políticas super- laxistas. Os bancos foram sempre concordando com tais políticas, pois isso lhes permitia aumentar os lucros, com o aumento dos empréstimos às famílias e às empresas. 
O grave erro dos portugueses foi acreditarem nos referidos dirigentes e darem-lhes confiança, quando estes os estavam a encaminhar para o abismo. Não devem voltar a dar confiança a uma classe política, empresarial e mediática, profundamente corrompidas e que tem enganado sistematicamente o povo. Não me parece sensato insistir nas mesmas «soluções» que têm falhado repetidas vezes, isso seria demonstração de estupidez. 

A ideia de que não podemos fazer nada, senão nos submetermos às medidas da troika para Portugal, é infundida através de discursos sem fim, apenas com o objectivo de levar a cabo o programa de eliminação total de quaisquer restos de Estado Social, com tudo o que isso significa de precarização permanente do vínculo laboral, incerteza completa em relação a situações de desemprego, velhice ou incapacidade, ausência de serviços sociais que não sejam mercantilizados, enfim, um recuo em termos sociais a situações anteriores à segunda metade do século vinte, mas com uma agravante: nessa altura, as pessoas estavam habituadas a lutarem, não tinham a ilusão de que o Estado fosse como um super-papá ou super-mamã, sempre pronto a socorrer os cidadãos em caso de necessidade. Nessa altura, não havia dúvida de que os oprimidos tinham de se unir e lutar colectivamente para defender o pouco que tinham e conquistar algo mais.
 
Agora, as jovens gerações estão anestesiadas, com todas as facilidades ou a ilusão das mesmas, veiculadas pela média, pelas modas especialmente dirigidas aos jovens e que se destinam a fazê-las esquecer quais os seus interesses. As pessoas estão tão manipuladas, que engolem a falácia de que os seus interesses pessoais e particulares estão em oposição ou não têm nada que ver com os interesses dos outros. Assim, os direitos colectivos são completamente ignorados, desprezados. As pessoas estão entregues a si próprias, pela incapacidade em se associarem e agirem em cooperação, para o bem comum. Os grandes do poder económico e politico estão portanto num contexto muito favorável, pois podem fazer tranquilamente o seu jogo, sem risco de serem denunciados, desmascarados e derrubados.

Não serve de nada projectar soluções míticas para a resolução dos nossos problemas, mas isso não significa que deixemos cair os braços! Basta termos a coragem de assumir que os problemas que enfrentamos foram criados -numa certa medida- por nós (por acção ou por inacção) e portanto, são passíveis de superação, se e somente se, formos nós a trabalhar para a sua solução. 

Solidariedade,
Manuel Baptista

16 junho, 2012

Bach - Brandenburg Concerto, No.3 for 8 hands, 2 pianos


Através da Herança de Bach cheguei a este vídeo, que vale a pena ouvir até ao fim.
Arranjo de M Tsuchiyaan, que também interpretou e gravou o vídeo.


24 maio, 2012

A homossexualidade não é uma escolha

Para não passar despercebida, esta notícia do Público, da secção Life&Style.

Mesmo para aquelas pessoas que acham que não, temos todos responsabilidades sociais, pois estamos todos em contacto e ligados. E somos todos humanos!

Saber ao certo e dizer aos outroshttp://lifestyle.publico.pt/Familia-e-relacoes

23 maio, 2012

Dietrich Fischer-Dieskau was a revolutionary performer

Fischer-Dieskau reorientated our listening experience, writes Daniel Barenboim in a personal tribute to the great baritone.

Retirado do Guardian, um tributo de Daniel Baremboin a Fischer-Dieskau.

There are many wonderful composers whose works we appreciate greatly but who did not make a significant impact on the historical development of music. Only a select few were able to at once sum up everything that had existed in music before them, and to pave the way into the future. Bach, Schoenberg, Wagner and Beethoven are outstanding examples of such revolutionaries. The situation is similar when it comes to performers of classical music: before Pablo Casals, for example, it was widely accepted that a cello just could not play in tune. Casals changed this widespread perception mainly through his interpretation of the Bach Cello Suites, and thus achieved a significant reorientation in our listening experience.
Dietrich Fischer-Dieskau was another such a revolutionary performer. He gave his first song recital as a 22-year-old, and the next year made his debut as Posa in Verdi's Don Carlos at the Städtische Oper Berlin. This was far from common at the time. In those days, a singer was supposed to sing opera, or song, but not both. Fischer-Dieskau broke through these barriers and showed that he was able to deliver extraordinary performances in different musical styles. He sang Mozart's and Verdi's operas as well as oratorios, song and contemporary pieces such as Reimann's Lear. Today, we accept implicitly that great artists are equally at home in opera and song, but Dietrich Fischer-Dieskau was the first of his kind.
When I was ten years old, I witnessed his first, or maybe second, recital in Vienna. I had never experienced anything like it and was completely mesmerised. It was the first time I heard a piano and voice recital; the intimacy and sincerity of the performance just blew me away.
His greatest achievement as an artist is maybe that he has given us an answer to the eternal question "prima la musica vs prima le parole"? (music, or words first?) He showed us that question in itself is false: in his interpretations, he created a unity between text and music unlike few before or after him. He set the benchmark in enunciation, and he emphasised key words through changing the sound of the note on which the word was sung. Thus, he not only clarified the sense of the word, but he let every syllable and every note sound together and thereby created a unity of harmony and colours unlike anyone else. For the word "death", for example, he didn't only use a different colour when pronouncing it (because he knew it was an extraordinary word), no, he also knew which colour to use for the note on which "death" was sung. He created a new dimension of the comprehensibility and understandability of the text.
We made music together for 25 years and I learned so much from him – he opened my eyes and ears to Brahms, Liszt, and especially Wolf. Through our work on Wolf's music, I was able to achieve a better understanding of Mahler's and Wagner's music. He gave me the means to work with singers in a precise and focussed manner. Our work together has been and always will be a benchmark for me. To work with him on anything was a privilege, but the Wolf Lieder set and Schubert's Winterreise stand out particularly.
He was one of the first German artists to perform in Israel, and perhaps more importantly, he sang a concert in Israel in German when he performed two recitals with Schubert, Schumann and Mahler songs with the Israel Philharmonic Orchestra in the early 70s. Until then even Beethoven's Ninth Symphony had exclusively been performed in English. Through his unique art, he enabled the German-Jewish population in Israel to once again appreciate the German language in music.
We had a very special friendship, and if I have already missed him on stage in the past 20 years, his loss now is even more painful.




12 maio, 2012

É preciso retirar o Estado "da tutela do capital financeiro globalizado"

             Outra entrevista, no Público do mesmo dia, domingo 6 de Maio, a Tarso Genro.
Não sei se tão ou mais importante que a de  Christos Yannaras, mas depois de mais umas inacreditáveis "postas de pescada" de Passos Coelho, parece-me ainda mais necessário partilhá-la aqui.
Um trabalho de Nuno Pacheco (texto) e Enric Vives-Rubio (fotografias).

Governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro brasileiro, Tarso Genro procura repensar as propostas da esquerda para a sociedade. Garantindo que "um programa para a esquerda tem que ser mundial", defende "a recuperação das funções públicas do Estado".

Aos 65 anos, Tarso Genro é governador do Rio Grande do Sul, o fim de um percurso inciado há três décadas como vice-prefeito de Olívio Dutra, então prefeito de Portalegre. É aí que nascem ideias e práticas políticas novas como os orçamentos participativos e é também Tarso Genro que assume então o papel de pai institucional dos Fóruns Sociais Mundiais e do movimento alterglobalização. Intelectual de prestígio e um dos pensadores da nova esquerda, Tarso Genro é no PT uma referência. Com Lula, foi sucessivamente ministro da Educação, das Relações Institucionais e da Justiça. E depois do escândalo do "mensalão" foi, como presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), o responsável pela refundação do partido. Inaugurando um périplo europeu, deu quarta-feira uma conferência sobre democracia, em Lisboa, no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Que espera das eleições gregas e francesas?

Do ponto de vista da esquerda brasileira, o que nós desejaríamos era coligações políticas democráticas fortes para iniciar um processo de retirada desses países da crise a partir de critérios diferentes dos que estão a ser utilizados. É difícil dar opinião sobre países tão distantes de nós, mas é possível, porque todos estamos imersos num processo de globalização organizada pelo capital financeiro articulado mundialmente, que nos faz padecer de problemas análogos. A nossa experiência de fazer o contraponto a esta dominação global é sair da crise crescendo, gerando empregos, fazendo uma transição na sociedade de baixo para cima com fortes instrumentos de inclusão social e educacional. A experiência brasileira diz-nos que adoptar a receita de recessão, de desemprego e de redução das funções públicas do Estado não é boa. Causa descoesão social, radicaliza a luta de interesses na sociedade, sectariza as lutas políticas e gera desconfiança da cidadania em relação à esfera da política e isso pode comprometer as instituições democráticas a médio e longo prazo.

Não teme o contágio da crise europeia ao Brasil? Tendo como meta o Mundial de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016, o Brasil está a criar uma classe média e uma dinâmica de desenvolvimento social recorrendo ao crédito bancário. Não teme um estoiro, como aconteceu na Europa?

Uma crise como a da Europa influi no Brasil. O que devemos é produzir bloqueios a esse contágio. Temos especificidades que podem formar um bloqueio forte. Temos um mercado interno em ascensão, que pode ser expandido por dez ou vinte anos. Temos riquezas naturais invejáveis e temos a possibilidade de combinar um modelo de desenvolvimento tradicional, originário da revolução industrial, do desenvolvimentismo clássico, com um desenvolvimento de ponta, de alta qualificação tecnológica. E temos organizações estatais muito fortes para organizar esse processo, como o Banco Nacional de Desenvolvimento, a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal. O Estado brasileiro não foi depenado da sua capacidade de produção de políticas públicas. Isso dá-nos uma vantagem comparativa muito grande. E sabemos que não podemos apressar, que não podemos crescer 10% ao ano, não temos infra-estrutura que resista a isso. Podemos crescer 4 ou 5% ao ano, sem surtos inflacionários e sem arriscar o processo de coesão social, que foi iniciado com o Presidente Lula.

Há risco de crise no horizonte?

A civilização capitalista actual é sempre uma civilização de risco. Cabe aos Governos reduzir os riscos e não apostar na descoesão social pelo desemprego e pelas baixas taxas de crescimento. Isso, o Brasil tem feito, de forma humilde mas sólida e vai continuar fazendo.

Essa presença do risco leva a pensar que a crise é inerente ao capitalismo e não é só fruto da influência neoliberal?

A ideologia, a cultura e o modo de vida neoliberal constituem uma espécie de casca de uma sucessão de factos objectivos no desenvolvimento capitalista que teve duas consequências graves. A primeira é que o capital financeiro capturou os Estados e exerce uma força normativa brutal sobre os Estados, através do controlo que o capital financeiro tem das suas dívidas. Isto vem diminuindo a força normativa das Constituições e aumentando a do capital financeiro, obrigando que os Estados se organizem a partir do critério fundamental do pagamento da dívida.

E a segunda?

É que o projecto neoliberal produziu uma reorganização na estrutura de classes da sociedade, provocando uma espécie de fragmentação social muito maior do que acontecia no contrato social-democrático. Aí os sujeitos eram visíveis, eram as organizações sindicais das classes trabalhadoras, particularmente da classe operária, e as associações industriais que contratavam pactos sucessivos de desenvolvimento e de protecção social. Hoje os trabalhadores e os partidos perguntam-se: quem são os sujeitos do contrato político e social actual? É o Banco Europeu? É a senhora Merkel como uma espécie de supervisora da União Europeia? E essa urgência de sujeitos visíveis tem desprestigiado muito a política e causado um desgaste enorme nos partidos. No Brasil conseguimos criar a emergência desses sujeitos na cena pública. Isso permitiu que se redireccionasse o modelo do país. O Brasil está a construir um contrato social novo.

É um dos pais dos Fóruns Sociais Mundiais (FSM). A alterglobalização foi engolida pelo sistema? Exemplos: os orçamentos participativos são usados comummente. E até Sarkozy defende a Taxa Tobin.

O FSM surge como uma vontade dos grupos de esquerda, com as várias colorações e matizes, de formar uma nova internacional. Isto, num período histórico em que não há condições para uma nova internacional e em que os movimentos sociais e os sindicais, a intelectualidade e o campo democrático e progressista no seu conjunto não têm uma identidade mínima única. E fizeram uma internacional dos fragmentos, que faz uma grande discussão democrática, positiva, aberta, mas que não tem capacidade de propor uma política unitária antineoliberal, ou neo-social-democrata ou neo-socialista. E não tem condições de articular movimentos sociais unitários, onde coexistem desde os vegetarianos aos ex-guerrilheiros. O FMS é muito mais um sintoma e um desejo de mudança do que um projecto político.

Como encontrar a alternativa?

A unidade de um projecto alternativo tem que ser uma obra dos partidos políticos, que têm que se renovar e compreender que um programa para a esquerda tem que ser mundial. E, na minha opinião, baseado em dois pilares.

Quais?

A colocação de novo, no centro, de uma visão de esquerda, da questão democrática, que está em risco na crise do projecto neoliberal. E tem que ser um projecto que aponte de maneira unitária para a recuperação das funções públicas do Estado. E isso significa retirá-lo da tutela do capital financeiro globalizado. Se isso não for feito, toda a política posterior a processos eleitorais irá conciliar com essa força normativa e nunca poderá aplicar o seu programa. Não é de graça que nós vimos sucessivos Governos de esquerda e sociais-democratas, com excepções na América Latina, a irem para o governo e aplicarem as mesmas receitas do projecto neoliberal. O poder político que o capital financeiro exerce sobre os partidos, os bancos nacionais, os Estados, é incontornável.

Como se resolve?

O Banco Central Europeu poderia financiar as empresas e os Estados e não os bancos. Seria uma mudança extremamente importante. O financiamento aos países em crise devia ser canalizado para reorganizar a base produtiva.

Através dos Estados...

... Com Governos comprometidos com a recuperação. Isso é o que eu chamo elementos mínimos.

E o outro exemplo?

A possibilidade de convencionar uma taxa de juro que não seja determinada pelos mercados, mas convencionada pelos Estados a partir de critérios públicos.

Defende o regresso da política. Mas por que é que soluções que aponta como simples não passam na Europa? Acha que há uma hegemonia cultural e política neoliberal na Europa?

Assim como o capital financeiro organizado capturou os Estados ele capturou também os partidos. Os partidos tornaram-se menos centros dirigentes e elaboradores de estratégias e mais passadores do pragmatismo necessário à sua sobrevivência. Não é uma questão de "maldade" dos partidos, é a força coerciva que é exercida pelo capital financeiro que vem destruindo a política, a política tem sido subsumida pela força do capital financeiro. E para que isso seja recuperado o primeiro acto é um acto de consciência. Recorrendo a uma metáfora: temos de substituir a utopia socialista do século passado pela utopia democrática altamente politizada. E fazer com que os Governos e os partidos se possam comprometer com programas e cumpri-los. As boas construções sociais que o Modelo Social Europeu fez foi a partir de visões políticas. E não espontaneamente se submetendo ao desenvolvimento industrial selvagem da primeira revolução industrial.

Na América Latina, vive-se o populismo de Hugo Chávez na Venezuela e os episódios da nacionalização dos postos da Repsol na Argentina ou da filial eléctrica espanhola na Bolívia. Como vê a ascensão populista desses regimes?

O processo brasileiro é completamente diferente disso. Temos marcos regulatórios muito fortes da relação com empresas estrangeiras, em parte construídos ainda no Governo do Presidente Fernando Henrique e parte com o Presidente Lula. Essas decisões são soberanas e nada têm a ver com o processo brasileiro e não dizem respeito sequer à natureza das relações que temos com as empresas que atraímos para o Brasil. Não tenho informação suficiente sobre esses casos, mas sei que isso gera uma expectativa negativa na Europa em relação a investimentos na América Latina. A nossa preocupação é que essa negatividade não seja transferida em relação ao Brasil. Estamos a procurar investimentos cada vez mais fortes de todos os países no Brasil. Nós tivemos na Bolívia um problema com a Petrobras. E resolvemo-lo respeitando a soberania da Bolívia e negociámos uma saída para que os nossos activos não fossem prejudicados.

Como vê Hugo Chávez?

É um Governo diferente do brasileiro também. A Venezuela tinha uma elite política anterior ao Governo Chávez que como sabemos vivia mais olhando para Miami do que para o seu próprio país. O Governo Chávez é uma reacção a isso. E se vai formar ou não um partido político e firmar regras de huguismo internacional capaz de proporcionar uma base económica forte para o país, isso, na minha opinião, ainda não está resolvido. No Brasil não temos nenhum tipo de hostilidade ao Governo de Chávez. Mas deixamos claro que é um modelo que nada tem a ver com o nosso país.

O que mudou no PT com o exercício do poder?

O Partido dos Trabalhadores permanece um partido de movimento e luta e torna-se um partido de Governo. E o PT emerge num momento de crise dos partidos de esquerda a nível mundial. Então eu diria que a personalidade política definitiva do PT ainda não está formatada. Ele vem de um conjunto de grupos revolucionários que lutaram armados para derrubar a ditadura militar, entre os quais eu me incluo, e que se encontra com o projecto democrático da Constituição de 1988, que passa a ser o centro da concepção política do país. O meu desejo é que o PT se torne num exemplo de um partido de uma nova esquerda, de uma esquerda comprometida com a democracia, capaz de estabelecer que os seus Governos têm uma relação de cooperação interdependente no processo de globalização e que saiba preservar um projecto nacional de desenvolvimento, que seja integrado e soberano.

Pelo caminho o PT tropeçou várias vezes em casos de corrupção, quer no Governo Lula, quer agora no Governo Dilma, com vários governantes a saírem do Governo. Isso corresponde a uma divisão do PT entre "bons" e "maus"?

O PT, como qualquer comunidade, tem pessoas e grupos que cometem ilegalidades. O PT não é um partido de anjos. Nem está imune à falta de virtude que existe na esfera da política e que felizmente não é dominante em nenhum partido. Considero que um partido se diferencia dos outros pela capacidade de exercer internamente um controlo e saber reagir contra isso. É impossível que um partido não tenha pessoas que tenham desvio de conduta. E a pior coisa que um partido pode fazer é apresentar-se como um partido mais moralista do que os outros e menos corrupto do que os outros, porque isso só pode ser provado a partir do momento em que se exerce o poder. O PT hoje aprendeu muito com os erros que alguns dos seus dirigentes cometeram, mas essas pessoas ainda não foram julgadas. Tem que se esperar. Um dos grandes condutores do ataque ao PT e da formação de opinião de que o PT tinha uma predominância de pessoas corruptas é precisamente a pessoa que está apontada hoje pela Polícia Federal como o organizador da mais complexa e profunda organização criminosa que ocorreu no Estado brasileiro depois da democratização: o senador dos democratas, Demóstenes Torres. Não sabemos se é culpado, temos de esperar.

Depois do "mensalão", o que mudou na relação do PT com a sociedade brasileira?

Mudou para melhor e mudou para pior. Para melhor porque o partido passou a cuidar-se muito mais e a preocupar-se com a sua conduta. Para pior porque o "mensalão" carimbou o PT como o partido que também tem pessoas que cometem ilegalidades, que é igual aos outros e nós fazíamos questão em dizer que eramos diferentes. Temos de ser um partido diferente mas não nos podemos iludir que somos um partido de pessoas perfeitas. Isso é uma visão religiosa da política que é sempre desmascarada.

Quando foi ministro da Justiça lançou reformas das quais surge a Operação Rio Seguro, que para alguns observadores é apenas uma manobra de propaganda. Como vê esta acusação?

Essa operação é uma parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania que lançámos no Ministério da Justiça e tem inflexões diferentes consoante a região. Por exemplo, eu estou a implementá-lo no Rio Grande do Sul em 20 regiões, mas não preciso de fazer ocupação militar porque não tenho um poder político paralelo armado dos bandidos e traficantes. E são programas normais de formação para jovens, para mulheres, para formação profissional. No Rio, para começar um programa desses tem de tomar o poder político do crime organizado. A ocupação faz-se para isso, não para acabar com o tráfico de drogas; este não acaba. É para substituir a autoridade de facto. E a partir daí começa um programa de segurança pública. O tráfico diminuiu muito, mas não acabou.

Terá de ser permanente?

Ela deve ser permanente. A ocupação militar dá origem à instalação de postos de polícia comunitária para que estas regiões tenham um policiamento normal como têm outras regiões da cidade.

Tem 65 anos, é governador, foi prefeito, três vezes ministro... Quando pensa candidatar-se a Presidente?

Não há essa hipótese, precisamente porque tenho 65 anos. Temos mais um Governo da Presidente Dilma e temos ainda a reserva política que é o Presidente Lula. Não está no meu horizonte. Eu não sou rival nem da Dilma nem de Lula, sou aliado incondicional dos dois.

E, do ponto de vista político, qual a sua maior ambição?

Essa já eu cumpri. Fui ministro da Justiça, da Educação e da Coordenação Política do Governo, coordenei a revolução do Lula, sou governador do meu Estado.

E pessoal?

Como advogado, sempre fui um profissional do Direito. Tenho a minha vida estável. Os filhos formados. Gostava um dia de escrever mais e estudar mais. Colaborar para o diálogo político da esquerda, do centro-esquerda e do centro democrático. Tenho sempre muita atenção com o centro democrático porque a nossa experiência no Brasil - e a actual situação europeia também coloca isso - é que é impossível fazer um Governo de mudança sem estabelecer um contrato político com o centro democrático que tem uma grande influência nos sectores médios da sociedade, que pode ser atraído para um projecto democrata, progressista e que não seja a dogmática neoliberal. Eu ganhei a eleição na primeira volta pelo PT contra os socialistas e os comunistas e chamei os partidos de centro e de centro-esquerda para governar comigo, fiz uma coligação. Aqui em Portugal, por exemplo, estranhei que no 1.º de Maio houvesse duas manifestações, uma da CGTP outra da UGT. Sem querer dar opinião e respeitando os partidos - até já conversei com o Presidente Cavaco Silva, que respeito -, pergunto-me se não era de os partidos do centro democrático e da esquerda e o Partido Comunista fazerem um acordo de meia dúzia de pontos para tirar o país da crise e da órbita da tutela normativa do banco central alemão... Esse acordo não iria valorizar a democracia e a República em Portugal?
  





          

07 maio, 2012

"Vivemos num regime de poder absoluto dos partidos"

 Uma entrevista, a meu ver importante, no Público de ontem, Domingo.

Christos Yannaras, por Maria João Guimarães

Christos Yannaras, filósofo, professor universitário, autor de livros como A Ortodoxia e o Ocidente ou O Significado do Mal (traduzidos em inglês ou francês, não em português), comentador no diário Kathimerini, fala sobre a situação actual na Grécia e na Europa. A seguir à entrevista, no metro, um episódio curioso: uma mulher de meia-idade dirige-se a Yannaras com voz suplicante. Segue-se uma troca de palavras, em grego. Quando ela vira costas, ele explica: perguntara-lhe em quem votar. "Já me aconteceu mais vezes nos últimos tempos", comentou Yannaras. "As pessoas estão mesmo perdidas."

Qual é o principal problema da Europa?


Penso que a Europa passa por uma crise cultural muito profunda. É uma crise do nosso paradigma. Posso defini-la através de dois exemplos. O primeiro é que a economia está autonomizada em relação à sociedade - não tem nada a ver com ela. O dinheiro que se joga na bolsa não tem nada a ver com a produção, com a criatividade de um país. É um dinheiro abstracto, logístico. O segundo é que a política foi autonomizada em relação à sociedade. Faz-se a política sem objectivos concretos, visão social, etc. Faz-se a política como se se dirigisse uma empresa, sujeita às regras do marketing. Isto não poderá continuar muito tempo. A economia e a política são a praxis mais essencial para viver em sociedade. Se a sua função não é parte da sociedade, não tem sentido. Espero que este paradigma não sobreviva muito mais. Isso significa 50 anos, 100, ninguém sabe. Mas, na minha opinião, é certo.

E que novo paradigma poderá ser esse?

Tenho ideia de que o elemento característico do paradigma de hoje é o individualismo, bem preparado por uma tradição longa de religião, da salvação individual, com virtudes e obrigações individuais, em que o estar junto tem um objectivo utilitário. Já em todo o mundo greco-romano a primazia era a participação, a comunhão da vida, da existência; a salvação era uma partilha, e a política era um esforço de participação de cada um que tinha como objectivo a verdade, não a utilidade. Na história da humanidade não há muitos modelos. Há o individualista, em que as comunidades são somas de indivíduos, e há modelos de comunidades que partilham verdadeiramente a vida. Se o modelo individualista, que teve grande sucesso com a civilização da modernidade, chegou a um impasse, não temos escolha. É preciso reencontrar, mas de modo criativo, não por imitações ou ideologias, a vida como comunhão.

Como vê este momento político de eleições na Grécia?

As eleições não têm sentido nenhum. O sistema político, que levou o país a uma catástrofe, é o mesmo que as organiza. A catástrofe não está ainda completa, é por isso que o novo ainda não chegou. Não há nada de novo nestas eleições. Somos levados, infelizmente, e apesar de tudo, a votar em algo que nos deixa nauseados.

Qual é o papel da Grécia na Europa?

Depois do helenismo, a Grécia abandonou a sua tradição. E criámos um Estado que é uma cópia dos Estados europeus. Mas isso não funciona e chegámos ao fim. O que estou a chamar cultura helénica não tem, no entanto, nada de nacionalista. O helenismo é por definição cosmopolita.

E a democracia? Estamos sempre a ouvir que há uma crise da democracia no país onde ela nasceu.

A democracia que praticamos na Grécia não tem nada a ver com a democracia grega antiga, cujo objectivo era chegar à verdade, e ao mesmo tempo não tem nada a ver com a democracia da modernidade, cujo objectivo era servir a necessidade do indivíduo. Há um regime totalitário dos partidos que têm um poder absolutizado. É um verdadeiro pesadelo. E, infelizmente, não podemos reagir. Não temos os meios, a possibilidade de reagir contra esta escravatura do regime dos partidos políticos. Também é assim noutros países, mas na Grécia é absolutamente horroroso.

Poderá haver uma leitura religiosa da crise? Há quem aponte, por exemplo, que a moralização da dívida resulta da tradição protestante na Alemanha?

Sim, sobretudo na Alemanha, há a tradição protestante que sacraliza o dinheiro. Não é preciso ser-se protestante. Acontece na Bélgica, no Luxemburgo, no mundo anglo-saxónico. Mas sim, há um aspecto religioso, muito essencial. Procuro resumi-lo dizendo que há séculos o cristianismo na Europa em geral - infelizmente aqui também - se tornou religioso. O cristianismo começou por ser uma igreja. O termo define a assembleia de cidadãos, como uma realização e manifestação da polis, do nosso modo de coexistência. Mas hoje praticamos um cristianismo totalmente individualista. Tentamos fazer boas acções para termos virtude e ganhar a salvação individual. Ou seja, a igreja representa assim uma moral utilitária e não dá nenhuma resposta ao enigma da vida e da morte.

27 abril, 2012

A desvalorização interna


No Público de hoje, Domingos Ferreira faz perguntas pertinentes.
Aqui fica a totalidade do artigo.


O FMI, o Banco Mundial, bem como o Brookings Institution-Financial Times Index, que mede o índice de recuperação da economia mundial, mostraram na última reunião profunda ansiedade com a grave deterioração da crise económica europeia em resultado das insistentes e letais medidas de austeridade. Porém, quem não parece estar preocupado é o primeiro-ministro português, que acredita que a sua inquestionável cartilha ideológica lhe fornece todas as soluções e, por isso, ele é o homem de Estado providencial, com a evangélica missão de salvar Portugal.

Após um ano em funções, observa-se que, em resultado da sua inexperiência e teimosia, bem como do seu inepto executivo, os grandes problemas nacionais continuam por resolver. Para além disso, as medidas até agora implementadas agravaram dramaticamente o estado da economia. No entanto, o primeiro-ministro defende que "A desvalorização interna é a única solução possível no equilíbrio das contas públicas, dada a impossibilidade de desvalorização da moeda". Contudo, aqueles que sabem matemática conheciam a verdade cruel da desvalorização interna e das medidas de austeridade: o desemprego está agora nos inimagináveis 15% e chegará aos 20% no próximo ano. O "buraco" nas contas públicas continua a alargar-se quer pela queda na receita fiscal, de cerca de 5%, quer pelo aumento da despesa em cerca de 3,5%. Por conseguinte, o Governo será forçado a lançar novos impostos (agora sobre a propriedade), agravando a recessão, numa espiral sem fim, como se observa pela dívida pública que cresceu de 100%, em 2011, para 112%, em 2012, e crescerá para históricos 118% no próximo ano. A economia encolherá 4% até ao fim deste ano. Todos os dias cerca de 30 empresas são tornadas insolventes.

A derrapagem obrigou já o primeiro-ministro a admitir que Portugal só voltará aos mercados lá para 2015 e as negociações para novo resgate estão cada vez mais em cima da mesa. Porém, numa manobra de inaceitável e enganadora propaganda política não só anunciou que a economia cresceria a partir de 2013, como também irá repor parte dos subsídios perdidos (talvez uns ridículos 10%) no conveniente ano de eleições de 2015. Todavia, a economia só poderá crescer por três razões: aumento do consumo nacional, aumento das exportações ou aumento do investimento. Lamentavelmente, o consumo deverá encolher por motivo da desvalorização dos salários. Por conseguinte, os portugueses perderão cerca de 14% do poder de compra só neste ano. Assim, não haverá crescimento por esta via. Embora se tenha verificado um aumento de 13% nas exportações, em termos absolutos estas continuam a não ter expressão. E o facto de as indústrias responsáveis por este aumento não serem nacionais (Autoeuropa e outras), a incorporação de matéria-prima no produto final maioritariamente importada neutraliza este crescimento. Acresce ainda que, para além de o euro ser fortemente lesivo às exportações nacionais, o inoportuno aumento dos combustíveis faz adivinhar uma desaceleração da economia mundial. E, por último, em períodos fortemente recessivos, as empresas não investem (os custos de produção e a asfixiante carga fiscal torna o país não competitivo), e o Estado não investe, dada a aflitiva escassez de recursos. Por conseguinte, torna-se totalmente improvável a retoma, como se torna cada vez claro que a desvalorização interna não é a solução para a crise nacional.

Outro erro histórico será o de privatizar a Segurança Social e o Sistema Nacional de Saúde. Estes senhores não sabem que nos EUA milhões de americanos perderam as suas poupanças e foram lançadas na pobreza em resultado da falência de algumas companhias de seguros e de bancos? Será que não sabem que uma em cada três famílias fica insolvente em resultado das elevadíssimas despesas do sistema de saúde privado americano? Então não sabem que as despesas de saúde do tão "eficiente" sistema privado americano é duas vezes superior ao sistema de saúde público alemão ou sueco e três vezes superior ao Sistema Nacional de Saúde? Porque insistem no erro? Porque não reformam o cancro nacional que são as PPP? Onde estão as reformas fundamentais para a modernização e revitalização da economia nacional? Porque não abrem a economia fortemente oligopolizada e cartelizada à concorrência? Porque não baixam os impostos às depauperadas pequenas e médias empresas? Porque não introduzem moralidade no sistema e põem fim aos indevidos privilégios de alguns influentes? Porque são sempre os mais vulneráveis a pagar? Pois, disto nem se ouve falar.

09 março, 2012

Bullying - os estudantes testemunhas

Em mais uma crónica (acho que a última na Pública) porque sim de
Daniel Sampaio
, com o título O que dizer aos jovens



      "Na semana passada estive no Faial (Açores), a convite da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da cidade da Horta, que assinalava a sua V Semana de Direitos.
       Na Escola Secundária Dr. Manuel de Arriaga — um espaço magnífico com condições excepcionais para o ensino — tive ocasião de debater com os alunos o tema do bullying. Mais uma vez constatei como este problema é discutido apenas na perspectiva dos agressores e das vítimas: quando propus focarmos o papel dos estudantes-testemunhas, que assistem a tudo sem nada fazer, a surpresa foi total.
       O problema é que não se trata de falta de informação. Os estudantes açorianos, tal como a maioria dos seus colegas do continente, sabem o que são os comportamentos sistemáticos de humilhação e provocação que definem o bullying. Quando um aluno disse que tal não acontecia naquela escola, pude ouvir risos abafados; e depressa me apercebi que muitos reconheciam vantagem na Escola Segura, no envolvimento dos pais ou na rapidez de resposta dos professores. Todavia, pensavam que era assunto de alguns, a ser resolvido pelas autoridades, sem a sua participação. 
       Esqueciam o essencial: o bullying não surge para resolver confl itos ou para expressar uma raiva ocasional, é terror, manifesto ou oculto, e só pode ser resolvido com a participação da maioria, os estudantes-testemunhas.
       Quando à noite, numa sessão para pais, apelei à participação dos estudantes-testemunhas, uma mãe disse-me que seria difícil, porque esses jovens seriam apelidados de “queixinhas”. Depressa respondi que a participação cívica é um acto de cidadania e nada tem a ver com delação ou traição. Se na escola existir um bom conhecimento do problema, se surgir uma comissão anti-bullying que integre professores, alunos, assistentes operacionais e estudantes, será rápida a detecção de situações de violência escolar e medidas efi cazes não faltarão. E quando uma aluna perguntou o que poderia fazer se, por medo, a vítima recusasse ajuda, depressa outros dois colegas responderam: “Não a poderemos deixar sozinha.”
       Ficou muita coisa por dizer, como sempre acontece nestes debates. Não houve tempo para que eu denunciasse, uma vez mais, esta cultura de desresponsabilização que caracteriza a nossa relação com os jovens, em que os consideramos irreverentes e agitados, em vez de os responsabilizarmos pela resolução dos seus próprios problemas. É certo que os estudantes que enchiam o auditório da escola me pareciam tranquilos, mas o que estaria por detrás daqueles sorrisos simpáticos? Tive a resposta na rua, na manhã seguinte: um aluno reconheceu-me e disse: “Foi bom aquilo ontem, mas não acredite no meu colega, ele é um ingénuo! Há bullying na nossa escola…” E logo ali, frente ao Café Peter e com vista para o Pico, me relatou dois casos.
       Fiquei a pensar. E dei comigo a questionarme se a vida escolar daquele aluno-vítima que o colega me trazia não poderia ter começado a ficar vulnerável na sua própria casa. Talvez ninguém lhe tivesse dito o essencial, como: eu acredito em ti, eu confi o em ti, eu preocupo-me contigo e quero que te preocupes comigo, eu acho que és capaz de lidar bem com situações difíceis, és importante para mim mas sobretudo és importante para ti mesmo.
       Agressor e vítimas parecem ser os protagonistas do teatro real do bullying, mas há um grande grupo de maioria silenciosa, os estudantes-testemunhas. Se os mobilizarmos, obteremos resultados, enquanto na nossa intimidade recuperamos aquelas frases em itálico: não é isso, afinal, que deveremos dizer a todas as crianças?"